segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O que é um infiel para o muçulmano?


O que é um infiel para o muçulmano?




Mensagem escrita por um advogado na França. (Gilbert Collard):

Como demonstram as linhas que se seguem, fui obrigado a tomar consciência da extrema dificuldade em definir o que é um infiel.

Escolher entre Allah ou o Cristo, até porque, o Islamismo é de longe, a religião que mais cresce e mais depressa, no nosso país (França).

No mês passado, eu participava no estágio anual de atualização, necessária à renovação da minha habilitação de segurança nas prisões.

Havia nesse curso, uma apresentação feita por quatro intervenientes, representando respectivamente: as religiões Católica, Protestante, Judaica e Muçulmana, cada um deles explicando os fundamentos das suas doutrinas respectivas.

Foi com um grande interesse que esperei a exposição do Imam (em árabe: امام, “aquele que guia” ou, “aquele que está adiante” é o pregador no culto islâmico e também designa os principais líderes religiosos do Islamismo que sucederam ao profeta Maomé).

A apresentação deste ultimo, foi “notável”, acompanhada por uma projeção de vídeo.

Terminadas as intervenções, chegou-se o tempo das perguntas e respostas, e, quando chegou a minha vez, perguntei ao muçulmano:

Agradeço que me corrija se eu estiver enganado, mas, creio ter compreendido que a maioria dos Imams e autoridades religiosas muçulmanas decretaram o “Jihad” (guerra santa), contra os infiéis do mundo inteiro, e que, matando um infiel (o que é uma obrigação feita a todos os muçulmanos), estes, teriam assegurado o seu lugar no Paraíso”.

Neste caso, poderia dar-me a definição do que é um infiel?”

Sem absolutamente nada objetar sobre a minha interpretação e sem a menor hesitação, o Imam respondeu: “um não muçulmano”.

Eu respondi: “Então, permita de me assegurar que compreendi bem:”.
O conjunto de adoradores de Allah devem obedecer às ordens de matar qualquer pessoa não pertencente à vossa religião, a fim de ganhar o seu lugar no Paraíso, não é verdade?”

A cara do imam, que até agora, tinha tido uma expressão cheia de segurança e autoridade, transformou-se subitamente na de “um puto”, apanhado em flagrante com a mão dentro do açucareiro!!!

É exato, respondeu o imam, num murmúrio.

Eu retorqui: “Então, eu tenho bastante dificuldade em imaginar o Papa dizendo a todos os católicos para massacrar todos os muçulmanos, ou, o Pastor Stanley dizendo o mesmo, para garantir a todos os protestantes um lugar no Paraíso.”

O Imam ficou sem voz!

Continuei: “Tenho igualmente dificuldades em me considerar vosso amigo, pois, que, o senhor mesmo e todos os vossos confrades, incitam os vossos fiéis, a cortarem-me a garganta!”.

Somente mais outra questão: “O senhor escolheria seguir Allah, que vos ordena matar-me, a fim de obter o Paraíso, ou o Cristo, que me incita a amar-vos, a fim de que, eu aceda também ao Paraíso, porque Ele quer, pelo mesmo motivo, que eu esteja na Vossa companhia?”.

Poder-se-ia ouvir uma mosca voar, enquanto o Imam continuava silencioso.
Será inútil tornar patente, que os organizadores e promotores do Seminário de Formação, não apreciaram particularmente esta minha maneira de tratar o Ministro do culto Islâmico e de expor algumas verdades a propósito dos dogmas desta religião.

No decurso dos próximos trinta anos, haverá suficientes eleitores muçulmanos no nosso país para instalar um governo de sua escolha, com a aplicação da “Sharia” como lei.

Parece-me, que todos os cidadãos deste país deveriam poder tomar conhecimento destas linhas, mas, como o sistema de justiça e dos “media” neoliberais, combinados à moda doentia do “politicamente correto”, não há forma nenhuma de que este texto seja publicado em órgãos de comunicação oficiais.

É por isto, que eu vos peço para enviar este texto a todos os contatos via Internet.

Gilbert Collard



Well, após a divulgação deste texto do advogado Gilbert Collard, eu vou agora, discorrer a minha análise sobre islamismo, seus líderes e seus seguidores:

Antes que vocês ataquem meu texto, é preciso que vocês leiam e analisem dois livros: O Corão e a Sharia.

O corão é o livro sagrado dos muçulmanos, e a Sharia é o compêndio contendo todas as leis muçulmanas baseadas no corão, ou seja, são as leis corânicas.

A sharia especifica que o fiel poderá entrar diretamente no paraíso islâmico após a sua morte, se matar um não fiel. Ponto.

Ao matar um não fiel, todos os pecados perpetrados pelo fiel durante toda a sua vida, serão automaticamente perdoados e assim, ingressará no paraíso islâmico, sem precisar passar pelos problemas e julgamentos impostos pelo suposto alláh, pelos quais, passaria um fiel que não matou um infiel.

E ao fazer isso, ele, o fiel que matou um infiel, terá disposto ao seu bel prazer, após sua morte, o perdão total e algumas regalias nesse paraíso islâmico, perdão e regalias que são difíceis aos fiéis que não mataram um infiel.

Então, onde está o terrorismo nessa religião? Calma, vou explicar e indicar onde está o terrorismo e quem são os verdadeiros terroristas.

Para aquele que julgamos ser um terrorista, não passa pela cabeça desse muçulmano, ser um terrorista. Ele está apenas preocupado em ir para o céu, sem precisar ter que passar pelas escalas obrigatórias impostas pelo suposto allah.

Ele não está preocupado com o imperialismo, ou, com os conceitos de terrorismo, ele não está preocupado com capitalismo, socialismo ou comunismo, ele está preocupado apenas e tão somente, em obter vantagens no suposto paraíso islâmico e entrar nele rapidamente, sem escalas e sem o julgamento do suposto allah.

O verdadeiro terrorismo está nas mãos de seus líderes religiosos, estes sim, são os verdadeiros terroristas, que doutrinam os seus fiéis, ao afirmar-lhes que: “Quanto mais infiéis eles matarem, mais vantagens eles terão no paraíso islâmico”.

Então, os líderes religiosos muçulmanos convencem um fiel, que ele pode praticar o suicídio, desde que, este suicídio cause a morte de um grande número de infiéis, e esses líderes religiosos, afirmam ao fiel, que ele entrará automaticamente no paraíso islâmico, com tantas mais regalias, quanto mais infiéis ele matar no processo do suicídio

O islamismo é uma religião que não dá margens a interpretações, nela, o terrorismo pode se instalar sem problemas afinal a religião islâmica é em si, terrorista.

E por isso, o islamismo é uma religião fraca, cheia de falhas, que, com essas falhas, foi moldada ao bel-prazer de seus lunáticos fundadores.

E pra terminar. Esses líderes religiosos islâmicos, não cometem suicídio, convencem outros a cometerem suicídio em nome do deus deles. São covardes.

Alguns irão rebater este texto, afirmando que, por exemplo, o catolicismo também usou as mesmas armas.

A diferença é que, o catolicismo, comandado pelos papas, dava ao fieis, o indulto de livre passagem para o paraíso, para aqueles que morressem nas cruzadas defendendo o catolicismo.

Ou seja, pelo catolicismo, bastava apenas morrer em batalha nas cruzadas, não precisavam matar ninguém para ir para o paraíso sem escalas, bastava morrer numa cruzada.

Isso me lembra dos vikings, que só poderiam adentrar o valhalla, se morressem em batalha, empunhando uma espada. 

Por esse motivo, existiam mulheres guerreiras vikings em grandes quantidades, elas também ansiavam em entrar para o paraíso viking, afinal, não importava para odin, se você era homem ou mulher, o importante, era a bravura demonstrada na batalha em si.

Gilgha
.
.

.